A oposição argentina acusa o governo da presidente Cristina Kirchner de aprovar no Congresso uma nova medida que pode prejudicar o Clarin, o principal grupo de comunicação do país